This blog don’t claim any copyrights for this image

Sondagem nasogástrica: O Que Fazer?

Divida com seus amigos o que você leu!

A sondagem nasogástrica (atualmente denominado cateterismo nasogástrico) é um dos procedimentos de enfermagem mais comumente realizados durante a assistência. Quer seja em unidades de emergência, teria intensiva ou clínicas médico-cirúrgicas, a realização desse procedimento requer conhecimento teórico e habilidades práticas.

É de grande importância que o procedimento seja realizado de forma segura, atentando-se para a resposta do paciente e sinais de complicações, tais como tosse ou cianose. Confira abaixo o passo-a-passo do procedimento e algumas dicas práticas a serem utilizadas no dia-a-dia.

Sondagem nasogástrica: passo-a-passoFonte: MPR News

1. Verifique a prescrição médica, certificando-se a respeito da necessidade de realização da sondagem nasogástrica.

2. Explique o procedimento ao paciente.

3. Organize o material necessário para a realização do procedimento.

    • Luvas de procedimento
    • Cateter nasogástrico (avaliar calibre do cateter de acordo com o paciente)
    • Lubrificante hidrossolúvel ou Xylocaína Gel 2%
    • Seringa 20ml
    • Pacote com gazes estéreis
    •  Estetoscópio
    • Fita adesiva para marcação
    • Fitas adesivas para fixação
    • Fitas indicadoras de pH

Dica: Se a sonda nasogástrica (atualmente denominada cateter nasogástrico) for de borracha, coloque-o em uma cuba com solução fisiológica gelada por 5 a 10 minutos. Uma solução fisiológica aquecida deverá ser utilizada em casos de sonda de plástico (ou poliuretano). Isso ajudará a manter a flexibilidade adequada para o procedimento.

4. Avalie o abdome do paciente.

5. Realize a lavagem das mãos. Não calce as luvas ainda. Em casos onde haja a observância de precauções respitarórias, para gotículas ou de contato, paramente-se antes de entrar em contato com o paciente.

6. Posicione o paciente em Fowler alto ou posicione a cabeceira do leito a 45º se o paciente não for capaz de manter o posicionamento correto.

7. Disponha uma compressa ou toalha no tórax do paciente. Mantenha acessíveis uma cuba e gazes para eventual episódio de êmese.

8. Verifique as aberturas das narinas, pedindo ao paciente que oclua uma narina e respire normalmente pela outra narina. Selecione a narina por onde o ar passe com mais dificuldade, deixando a narina mais livre para que o paciente respire mais facilmente.

9. Mensure até onde a sonda deverá ser inserida na narina. Coloque a ponta da sonda na asa do nariz do paciente e extenda até o lóbulo da orelha, continuando a medida do lóbulo da orelha até a ponta do processo/apófise xifóide (antes chamado de apêndice xifóide). Marque essa medida com um pedaço de fita adesiva.

Dica: Alguns profissionais utilizam um pedaço fino de esparadrapo. Outros preferem marcar a sonda com pincéis de tinta não-removível. Utilizar pincéis pode ser perigoso pois a tinta pode sair com o tempo, perdendo-se, assim, o marco referencial do posicionamento correto da sonda.

10. Lubrifique a ponta do cateter (pelo menos 5cm) com um lubrificante hidrossolúvel.

11. Certifique-se que a cabeça do paciente está levantada e insira o cateter na narina, gentilmente direcionando-o para trás e para baixo.

Dica: É comum que o paciente engasgue nessa hora, pois a ponta do cateter está em contato com a laringe.

12. Instrua o paciente a encostar o queixo no peito. Encoraje-o (a) a engolir a própria saliva para facilitar a passagem do cateter. Avance o cateter, direcionando-o para baixo e para trás quando o paciente engolir a saliva. Pare de avançar o cateter quando o paciente respirar. Se o engasgo e a tosse persistirem, observe o posicionamento do cateter com a ajuda de um abaixador de lingua e uma lanterna clínica. Continue progredindo o cateter até atingir a marcação que você fez. Se alguma resistência for encontrada, não force o avanço.

Dica: Rotacione o cateter e tente avançar. Em casos onde a resistência persista, regrida o cateter e tente novamente.

13. Descontinue o procedimento se houver algum sinal de desconforto, como tosse, falta de ar, cianose e incapacidade de falar .

14. Determine se a localização do cateter está correta (gástrico).

  • Posicione o estetoscópio sobre a região epigástrica do paciente. Conecte uma seringa de 20ml com ar e empurre o êmbolo rapidamente. A chegada do ar ao estômago deverá produzir um barulho de turbilhonamento, facilmente auscultado com o estetoscópio.
  • Retire o ar instilado e aspire uma quantidade pequena de conteúdo gástrico. Desconecte a seringa.
  • Mensure o pH do conteúdo aspirado com a fita indicadora de pH. O resultado deverá ser em torno de 2,5.
  • Visualize o conteúdo aspirado, observando a cor e a consistência.

15. Limpe e seque o dorso do nariz do paciente. Fixe o cateter de forma efetiva, sem obstruir a narina oposta.

  • Corte im pedaço de fita adesiva e divida-a em duas até a metade (formando uma forma parecida com uma calça) ou use um fixador de sonda nasogástrica industrializado.
  • Posicione a porção que não foi partida sobre o nariz do paciente.
  • As duas partes que foram partidas devem ser enroladas na sonda.

16. Deixe a unidade do paciente limpa e organizada. Lave as mãos.

17. Anote no prontuário do paciente o procedimento realizado: tipo de sonda, número da sonda e a medida que foi inserida no paciente. Também descreva o aspecto do conteúdo gástrico, em qual narina o cateter foi inserido e a reação do paciente durante o procedimento.

Fonte: Nursing Crib, OSCE Skills

%d blogueiros gostam disto: